• janeiro 24, 2022
NR 12: Objetivos e seus benefícios

NR 12: Objetivos e seus benefícios

NR 12: Objetivos e seus benefícios

Qual é o objetivo da NR 12?

Rege a concepção, “produção, importação, comercialização, exibição e transferência sob qualquer nome, em todas as atividades econômicas” de “máquinas e equipamentos de todos os tipos”, bem como seu uso.

Esta última etapa inclui várias etapas: “transporte, montagem, instalação, ajuste, operação, limpeza, manutenção, inspeção, desmontagem e desmontagem da máquina ou equipamento”.

Não se enquadram na NR 12 aqueles que são acionados pelo poder de animais ou humanos, bem como eletrodomésticos e objetos expostos para fins históricos (por exemplo, em museus) ou não produtivos.

O NR 12 foi publicado pelo Decreto MTB nº 3.214 de 8 de junho de 1978 e passou por algumas atualizações para atender as exigências de segurança dos trabalhadores diante das inovações do mercado.

O rápido progresso tecnológico automatizou as empresas e, consequentemente, afetou os processos de trabalho. As questões operacionais hoje têm pouca semelhança com aquelas tratadas na década de 1970, quando foi criada a NR 12.

No entanto, em muitos aspectos, o padrão normativo permanece o mesmo; Afinal, seu principal objetivo ainda é definir “diretrizes técnicas, princípios e medidas de proteção para garantir a saúde e a integridade física dos trabalhadores”.

NR 12: Objetivos e seus benefícios

Quais são seus benefícios?

Justamente pela finalidade para a qual foi criado, este regulamento contribui para a prevenção de riscos ocupacionais e acidentes de trabalho. Quando um funcionário se envolve em um acidente, ele é afetado de maneiras que vão além do profissional: as limitações de seu corpo podem ser permanentes, deixar consequências e até causar problemas psicológicos.

As consequências de tal evento também afetam o fluxo de caixa da empresa, pois os empregadores devem pagar pela ausência do empregado. Entre 2012 e 2017, foram perdidos 315 milhões de dias de trabalho por acidentes de trabalho, segundo o Ministério do Trabalho (MPT).

No entanto, é necessário especificar: quem emprega é obrigado a indenizar o dano ao seu trabalhador acidentado, o ônus que decorre de dolo ou negligência, conforme art. 7º, inciso XXVIII da Constituição Federal.

A mesma pesquisa do MPT também aponta o impacto dos acidentes de trabalho na sociedade, que levaram a gastos previdenciários de 26 bilhões de reais entre 2012 e 2017; em tempos de reforma da previdência, o valor é alarmante.

A NR 12 é importante não só para garantir a vida e a saúde do empregado, mas também para orientar o empregador na execução das atividades econômicas. Suas disposições referem-se, por exemplo, à necessidade de delimitar de acordo com as normas técnicas as áreas de tráfego nas quais as máquinas e equipamentos são instalados.

A NR 12 também aborda temas como: pisos, ferramentas, dispositivos elétricos e de emergência, sistema de segurança, componentes pressurizados, preparação, reparo, aspectos ergonômicos e riscos adicionais de máquinas e equipamentos.

Por fim, cabe destacar que o referido regulamento não protege apenas o trabalhador, estabelecendo medidas para que a empresa assegure sua proteção. NR 12, mas também o dever do trabalhador ao manusear a máquina.

Por exemplo, você não pode mexer em proteções mecânicas ou dispositivos de segurança em máquinas e equipamentos. Você deve participar do treinamento e “avisar seu supervisor imediato se um protetor ou dispositivo de segurança foi removido, danificado ou perdeu sua função”.

E quais são suas medidas de proteção?

Em primeiro lugar, cabe destacar que o Ministério do Trabalho e Emprego é o responsável pelo cumprimento da legislação. Periodicamente, o órgão envia especialistas às empresas para monitorar e avaliar a segurança do trabalho e implementar práticas que estejam de acordo com a NR 12.

Esta norma regulamentadora aplica-se tanto a equipamentos novos quanto usados, “exceto quando houver menção específica quanto à sua aplicabilidade”. Menciona também a necessidade de atendimento às normas técnicas (NBR), quando existentes, especificamente projetadas para o tipo de máquina em questão.

Nesse sentido, a NR 12 prevê a colocação dos materiais utilizados no processo de fabricação em “áreas específicas de armazenamento, devidamente demarcadas por faixas na cor especificada pelas normas técnicas oficiais”. A cor é mesmo um dos fatores fundamentais que garantem a visibilidade do objeto e, portanto, a segurança do trabalhador.

O regulamento classifica suas salvaguardas principalmente nas três categorias a seguir:

  • Meios de proteção coletiva;
  • Organização administrativa ou trabalhista;
  • Equipamento de proteção pessoal.

Medidas de proteção coletiva

Em relação ao uso de sistema de segurança, a NR 12 menciona “a possibilidade de alguém permanecer na zona de perigo”. Assim, uma medida de proteção coletiva “para evitar que a máquina dê partida enquanto as pessoas estiverem na área” deve ser tomada, mas qual?

A norma regulamentadora prevê o uso de um sensor para detectar a presença de uma pessoa na cerca. Outra destas ações é a instalação de “protetores móveis ou sensores de segurança na entrada ou acesso à zona de perigo, associados ao rearme manual”.

Medidas administrativas ou organizacionais

Há um extrato da norma regulamentadora supracitada referente ao layout físico de máquinas e equipamentos, bem como seus equipamentos. Entre seus dispositivos está um que diz respeito à necessidade de colocar os materiais utilizados no processo produtivo em “áreas específicas de armazenamento”.

Medidas de proteção individual

É aí que entram os EPIs, equipamentos de proteção individual como respiradores, luvas e óculos de proteção. A indústria metalúrgica, por exemplo, necessita de macacões de manga comprida retardante de chamas, proteção auditiva e sapatos antiderrapantes devido aos equipamentos disponíveis na instalação.

O tempo de exposição a determinados produtos e outros fatores que possam prejudicar a saúde e a vida do trabalhador também devem ser avaliados. Todo esse cenário está descrito na NR 9 e NR 7, que regem o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais e o Programa de Controle de Saúde Ocupacional, respectivamente.

O PPRA e o PCMSO devem ser introduzidos nas empresas porque avaliam os riscos da profissão. Assim, eles determinam, por exemplo, quais EPIs são necessários para as operações realizadas em uma determinada organização.

Continue lendo nosso site!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.